Rua Conde de Araruama, 425 – Centro Quissamã – RJ – Cep: 28.735-000

Tempo Agora

Secretarias

Nota Fiscal

Transparência

Diário Oficial

Serviços

Ouvidoria e E-sic

Quissamã realiza uma séria de atividades sobre o Setembro Amarelo

A Prefeitura de Quissamã, por meio da Secretaria de Saúde, realizou durante o período da manhã e da tarde, para os adolescentes tanto do Programa Jovens em Ação, quanto Projeto Guarda Mirim, uma palestra referente ao Setembro Amarelo, com o tema: “Anseios da Adolescência”. O evento aconteceu no auditório da Prefeitura, com o intuito de chamar a atenção para esse mês tão importante que da campanha de prevenção ao suicídio.

A estagiária do 10º período de Psicologia, Júlia Lima, falou sobre a importância de ir ao psicólogo. “Acontecimentos externos que magoam, geram feridas que ficam abertas, doem e muitas vezes não sabemos lidar com ela. Tudo bem ser você. O suicídio não tem uma causa, são vários fatores, como o bullying, não ter família, ter família que não te ama, não ter amigos, perder uma prova importante. Em cada pessoa, existe um gatilho diferente. Precisamos ter empatia com as pessoas”, declarou Júlia.

Os profissionais da Saúde, durante o decorrer do mês, alertarão a população sobre a importância da prevenção ao suicídio, que é considerado um problema de saúde pública, com sua ocorrência aumentando muito nos últimos anos, principalmente entre os jovens, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). A prevenção é o melhor caminho para combater os pensamentos e comportamentos suicidas.

Desânimo, falta de prazer em fazer aquilo que a pessoa sempre gostou, descuido com a higiene pessoal, autodepreciação, apatia, tristeza, irritabilidade, afastamento das pessoas, abuso das drogas, autolesão, são algumas das consequências desta doença aparentemente invisível. A dor e o sofrimento psicológico são tão grandes que não se consegue ver, tocar, então a pessoa transfere essa dor interna para algo externo, que possa ver, cuidar, alertou Júlia.

Aproximadamente acontecem 703 mil suicídios por ano. A taxa global é maior em homens que mulheres e 108 milhões de pessoas são afetadas, sendo conhecidas como sobreviventes do suicídio do outro. Ao término da palestra, a psicóloga Elizabeth Cabreira fez as suas considerações e abriu para perguntas, depoimentos. “Não existe pergunta inconveniente, todas tem um propósito”, afirmou Beth.

“Não tenham vergonha de pedir ajuda, nem para você, nem para uma pessoa próxima.
Caso tenha identificado a necessidade em alguém, compartilhe com ela o telefone do CVV – Centro de Valorização da Vida, o número 188”, finalizou a psicóloga do município, Elizabeth. Durante todo este mês de setembro, várias atividades acontecerão na cidade, com palestras, oficinas terapêuticas e rodas de conversa.

“Neste mês de valorização da vida, precisamos alertar a população para falar abertamente sobre este tema, que continua, lamentavelmente, sendo um tabu. Obrigada a todos que estiveram aqui. Viva para você e não sofra com o futuro. Aprendam que vocês estão em evolução e ajudar ao próximo faz a diferença. Vocês sairão daqui com a informação e poderão plantar essa semente em casa, com amigos, na escola”, alertou Maria Aparecida Barcelos, Gerente do Programa Saúde na Escola.

Galeria de Fotos