Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Símbolos Municipais

Acessos: 1777

Bandeira de Quissamã

A bandeira, com suas faixas de cores marcantes evoca os elementos básicos, o azul lembra o ar, o clima tropical, o branco ondado na parte superior o solo e o seu extremo litoral.

O filete preto remete as reservas petrolíferas do subsolo marinho, a faixa verde evoca a vegetação de restinga, as extensas plantações de cana-de-açúcar e os campos de pasto.

O meio eixo dourado, nascente nos faz lembrar do sol, e da importância de sua energia para os demais elementos.

As cores principais foram extraídas da bandeira brasileira para simbolizar o espírito patriótico do quissamaense e proclamar a união indissolúvel de ideais entre os nascidos em Quissamã e os demais brasileiros.

A composição dos elementos sugere o nascer do sol, na direita do horizonte marinho, paisagem observada cotidianamente nas praias do município e simboliza ainda o amanhecer da comunidade quissamaense.

 

O HINO

Autoria: Sônia Helena Pacheco e Silva

Na imensidão desta terra altaneira,
Surge uma flor de singelo candor,
Sua beleza morena e brejeira,
Os nossos campos inunda de cor.

REFRÃO
Ó Quissamã , terra boa e amiga,
Que a mão de Deus generosa ornou,
Tesouro aberto ao céu que abriga,
Banhada no azul deste mar que a embalou.

Em sua história assim revelada,
Que Maldonado em anais registrou,
A Freguesia em Vila elevada,
À Virgem do Destêrro dedicou.

De povo simples, fiel desta terra,
De tradições de beleza sem par,
Relicário que a história encerra,
Motivo e encanto deste meu cantar.

REFRÃO
Ó Quissamã, terra boa e amiga,
Que a mão de Deus generosa ornou,
Tesouro aberto ao céu que abriga,
Banhada no azul deste mar que a embalou.

Dourada ao sol que suas praias bronzeia
Beleza agreste, restinga em flor,
É Quissamã, terra que encandeia,
Berço de sonhos, deleites do amor.

É Quissamã essa flor pura e bela,
Que brota ao sol, em solo tão gentil,
Com galhardia o povo desta terra,
Sua glória canta aos rincões do Brasil.

REFRÃO
Ó Quissamã, terra boa e amiga,
Que a mão de Deus generosa ornou,
Tesouro aberto ao céu que abriga,
Banhada no azul deste mar que a embalou.

 

O BRASÃO

O filete de preto proclama a importância do lençol petrolífero submarino, promissora fonte de riquezas do município.

A semelhança com o escudo de Macaé, evoca a fraternidade existente entre as duas comunidades antes unidas.

A coroa mural que é de oito torres e de prata, é a reservada as cidades, capitais de município aberta de verde a dizer da esperança, e a proclamar o caráter pacífico e hospitaleiro da gente quissamaense.

As palmeiras imperiais, marco da paisagem de Quissamã, recordam as antigas fazendas e seus senhores, que no passado ergueram as bases da atual comunidade. Por seu porte altivo simbolizam a grandeza das aspirações do povo que sempre está crescendo e buscando um ideal cada vez mais elevado.

A presença dos ramos de cana-de-açúcar sustentando o escudo exalta a sua importância como base da economia da cidade.

O listel de prata, indicativo de integridade e amizade, com letras de azul, de justiça e perseverança, resume o perfil do povo de Quissamã que viu a criação da freguesia de Nossa Senhora do Desterro de Quissamã no ano de 1749 e em 1989 contribuiu para a realização do sonho de emancipação política.

O escudo português ou ibérico, comumente usado na heráldica de domínio brasileira, lembra, no brasão de Quissamã, a herança de seus primeiros colonizadores, o campo do escudo em verdade, símbolo da esperança e de um futuro promissor realça também a importância da agricultura na economia do município, recordando os canaviais, os campos de pasto e as restingas.

A cruz elevada evoca a formação crist㣠da comunidade, é de ouro realçando a importância da fé que sempre norteou a vida deste povo.

O contra-chefe de prata, recorda as areias da restinga e o subsolo marinho. A ponta ondada de azul lembra as águas representadas por seu intenso litoral, o mar com suas belas praias e as lagoas. Evoca também a pesca, fonte da economia das comunidades litorâneas tanto marinhas quanto lacustres.

 

 

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página